A PESSOA MAIS IMPORTANTE DA TUA VIDA
Inês Silva Moreira

A pessoa mais importante da tua vida não é o teu filho.

A pessoa mais importante da tua vida és tu.

 

Sim eu sei o que estás a pensar. É difícil de perceber. Eu também só percebi já a minha filha tinha 2 anos. 

Somos mães e somos a maior proteção que os nossos filhos têm. Somos o sim e o não, o aconchego, o colo, somos onde dormem, onde comem e onde refilam. Somos o porto seguro. Somos o mundo e ainda bem. Que assim seja.

Mas também somos a Inês, a Sara, a Catarina, a Joana…também somos mulheres. O rótulo de mãe enche-nos de orgulho, eu sei, mas não deixa espaço para mais nada. Na escola ou no médico somos a mãe da Matilde, a mãe da Carolina, a mamã. Não temos nome próprio, quase como se não tivéssemos identidade.

Isto faz com que de repente, ao fim de uns quantos meses de maternidade, já não sabemos quem somos, do que gostamos, do que andamos a aqui a fazer. O mundo gira em torno dos nossos filhos. As necessidades deles passam a ser as nossas. E as nossas verdadeiras necessidades onde ficam? Eles precisam de atenção sim, mas nós também. 

Quero com isto dizer que, enquanto mãe, tenho consciência que acima de tudo tenho de estar bem para ser uma boa mãe (o que quer que seja que isso signifique).

Assim digo-te, de mãe para mãe, sem culpa, sem julgamento: a pessoa mais importante da tua vida és tu. A responsável pelo teu bem-estar és tu. A responsável pela tua felicidade és tu. A vida é tua, não é do teu filho. Ele tem a dele. O teu filho tem o caminho dele, que será feito de mão dada contigo sim até ele ter a confiança para a largar e continuar a construir a sua felicidade.

Será justo colarmos esta responsabilidade nos ombros dos nossos filhos? E quando eles largarem a nossa mão, ficamos como? Com os sonhos que não realizámos? Com a nossa identidade perdida? É essa a mãe que queres ser?

Ou podemos ser o exemplo de força e perseverança. Podemos mostrar aos nossos filhos que somos pais presentes, que estamos sempre disponíveis para tudo o que precisarem mas também temos as nossas necessidades e que somos capazes de fazer muitas outras coisas para além da parentalidade. Também temos os nossos sonhos, as nossas aventuras, os nossos projectos. Coisas que nos preenchem, que nos nutrem, que nos deixam respirar um bocadinho, para que no fim do dia não sejamos pais cansados que gritam por tudo e por nada e sem paciência. Porque sejamos verdadeiros, isso acontece. E ainda pior, há quem culpe os filhos pelos sonhos que não conseguiram realizar. Porque deram tudo e não sobrou nada para estes pais. 

Podemos ser pais realizados, que contagiam os filhos para que também eles possam sonhar livremente e atingir as suas metas, sabendo sempre que independentemente do que possa acontecer, estamos cá para os agarrar, como sempre fizemos desde que nasceram.

Inês Silva Moreira
A Inês é a mãe da Matilde. Apaixonou se pelo mundo da maternidade e hoje colabora com a Clínica Amamentos para manter o standard e qualidade dos nossos cursos e workshops.